.

.

8 de novembro de 2011

A imaginação tem mais força que o conhecimento, já dizia Einstein!

Tenho um medo completamente irracional de andar de avião, que tento sempre contrariar dizendo para mim que é absurdamente absurdo o que sinto, e que o avião é um dos meios de transporte mais seguros, pois segundo as estatísticas, apresenta apenas um óbito por cada milhão de passageiros embarcados e ainda reforço que é bem provável que esse óbito se deva a circustâncias exógenas à própria Aviação. É apenas graças a isto que consigo estar a mais de 2000km da família e dos amigos e que me permito viajar pelo mundo - aliás, coisa que gosto muito de fazer.

As horas antecedentes a uma viagem de avião e todos os momentos vividos dentro do enorme pássaro de metal transformam-se em sessões de autêntica tortura. Agora entendo a razão pela qual muitas religiões optaram pelo medo e pela violência para obterem mais súbditos. Por algumas horas torno-me uma discípula fervorosa capaz de destronar qualquer religioso, mesmo aquele mais fanático.

Tudo começa quando vejo repetidamente o boletim meteorológico e tudo piora quando vejo MAU TEMPO. Segue-se uma pequena e desesperada vista de olhos pelos passageiros e a esperança remota de que consiga vislumbrar nalgum deles, uma pequena pista de que não merece ir desta para melhor; quando algum dos passageiros é uma crianças as coisas melhoram um pouco.

Entro sempre com o pé direito, não vá o diabo tecê-las e gostava que todos fizessem o mesmo, mas tenho vergonha de lhes perguntar/pedir. De seguida, observo atentamente os assistentes de bordo, se forem novos e inconscientes esqueço que vão criancinhas a bordo. Se conseguir lanço um breve olhar para o piloto, se não for muito novo, ou seja inexperiente, e se não for muito velho, ou seja, possível candidato a um ataque súbito ou a senilidade, então fico um pouco mais descansada e segura com os meus preconceitos.

Durante a viagem, sigo os passos firmes dos assistentes de bordo e tento perceber neles qualquer sinal de preocupação. A minha audição agudiza-se e fica atenta a qualquer som que julgo estar fora da normalidade. Sempre que há turbulência ou que vejo nuvens pela janela agarro-me animalescamente aos braços da cadeira e torno-me naquela discípula de que vos falei ainda há pouco. Praguejo sempre que qualquer um dos outros passageiros se movimenta mais bruscamente para ir à casa de banho ou à bagagem de mão.

Por fim, não há quem consiga obter de mim uma palavra, nem sequer um olhar durante a aterragem pois estou demasiado concentrada em não respirar e em ouvir e sentir o meu coração bater
violentamente.

Quando o aviao aterra fico a pensar como hei-de cumprir todas as impensáveis promessas que fiz e como raio é que ainda pago para andar de avião.

4 comentários:

Ana disse...

Tens medo, Mafaldocas. E alegra-te porque não é dos graves e incapacitantes. Dá só boas histórias para ler.

Também não é por teres medo que acontece algum acidente, mas a verdade é que é por teres medo que aproveitas menos as coisas boas de uma viagem de avião. Porque há. Há sempre coisas boas em tudo.

Da próxima vez, experimenta (pede ajuda ao vizinho do lado :p) e concentra-te nas coisas boas. Passar as nuvens e ficar bom tempo de repente, ver as luzinhas das cidades à noite, como se fossem uma árvore de Natal gigante, observa alguém que vá pertinho e imagina a possível vida que essa pessoa possa ter, aproveita o tempo para fazer uma lista por escrito dessas promessas todas. O importante é descentrares o teu cérebro da busca de sinais de perigo que não existem. Em última análise, o teu cérebro, como está destrambelhado elo pânico, vai ser "ver" coisas que não estão lá. E isso só piora a sensação, não te deixa mais descansada.

(Imagina as pessoas que têm medo de andar de escadas rolantes! :p)

Calíope disse...

Tenho vários amigos como tu, um deles era capaz de jurar que havia um terrorista na casa-de-banho porque o coitado do senhor ficou lá tempo "demais". Eu felizmente não tenho esse problema, acontece-me recorrentemente o avião ainda não ter levantado e eu já ter adormecido. Mas olha, sabes que há cursos para perder o medo de andar de avião? Eu sei que a TAP e a AirFrance tinham, por isso é quase certo que a Lufthansa tenha também.

Calíope disse...

Tenho um amigo assim como tu... e não dou detalhes para não avivar a tua criatividade :) Eu felizmente sou totalmente o oposto e adormeço recorrentemente antes do avião levantar voo... pensando que poderia poupar a viagem se alguém tivesse tido a boa ideia de inventar o teletransporte! :)
Mas ouve, há cursos para pessoas perderem o medo de voar. Confere na Lufthansa ou assim (sei que a TAP e a AirFrance tinham).

Mafalda disse...

Calíope: essa do terrorista também é engraçada. Lol, lol
E uma boa ideia, talvez nos deixem visitar as garagens dos aviões ou falar com um piloto, acho que isso ia ajudar. Obrigada. ;)

Ana: muito obrigada pelos teus conselhos, foi de verdadeira profissional. ;) Vou tentar fazer isso, gostei da ideia das luzinhas e de imaginar a vida das pessoas.

Obrigada às duas