.

.

6 de setembro de 2011

Poderia entrar aqui em desvarios poéticos, para os quais não possuo qualquer vocação, mas prefiro dizer- vos que estou na praça central da cidade, em frente ao mosteiro/ catedral colossal que chega a tocar o céu e possui parte da alma desta cidade. Deixei a bicicleta um pouco afastada e respiro este mavaravilhoso sol que me aquece por dentro e por fora e torna-se agadavelmente mais fraco a cada brisa fresca que corre. Ouço a língua materna e tomo o meu cappucino enquanto vos escrevo em português.

5 comentários:

Vítor disse...

Sarinha, a isso chama-se qualidade de vida! Só falta dizeres que andas de bicicleta por questões ecológicas e que o BMW está estacionado na garagem de tua casa!!! Não precisam aí de um professor de Moral?! Beijinhos

António Manuel disse...

Bicicleta?

António Manuel disse...

Bicicleta?
Ouvir a língua materna?

Mafalda disse...

Padrinho: aqui ando sempre de bicicleta ;) a língua materna deles, não a minha. Embora já tenha ouvido português. Beijinhos!

Vitor: ando de bicicleta por diversas razoes e quanto ao bmw, só preciso que alguém queira comprarva minha carrinha megane, e o serie 1 será meu! A do Eduardo será a bmw 320 D. ;) com as saudades que tenho de vocês aí, tenho que pelo menos ter alguns miminhos, ainda que não compensem. Obrigada. Um beijinho. Professores de moral são muito bem- vindos.

vitor almeida disse...

Quanto deste arrumador de bicicletas?

Beijinhos